Conheça as pessoas que vivem em locais EXTREMOS do mundo

O ser humano é, provavelmente, uma das espécies com a maior capacidade de adaptação que existe, mesmo em locais extremos. Nós conseguimos evoluir o bastante para que a nossa comunicação nos permita viajar, resistir e até habitar por longos períodos de tempo desde os lugares mais amenos até os locais mais extremos.

Por isso, neste texto trouxemos alguns exemplos de pessoas que são tão persistentes que se adaptam a lugares onde muitos considerariam impossível viver.

Isertoq, Groenlândia

Casas isoladas em região com muita neve e pedras. Quase sem nenhuma vegetação.

Esse vilarejo da Goenlândia foi considerado um município até 2009. Desde então, ele passou a integrar o município de Sermersooq devido ao seu número de habitantes, cada vez mais reduzido.

Com menos de 100 habitantes, Isertoq está na nossa lista de locais extremos devido à sua localização. A cidade fica em um local remoto e seu clima ártico é considerado extremo até pelo povo esquimó

Grande parte das pessoas que vive nessa região contam com as focas para a sobrevivência. Elas comem a carne também se agasalham com as peles destes animais.

A temperatura mais alta registrada na região não passa de 10°C entre os meses de julho e agosto. Já as temperaturas mais baixas acontecem entre janeiro e março e ultrapassam levemente os -11°C.

Coober Pedy, Austrália

Imagem de um quarto escavado sob a terra

Essa cidade Australiana é considerada a maior produtora de opalas de alta qualidade há mais de 100 anos. Porém, isso não é a única coisa que faz dela famosa. Coober Pedy é também considerado um dos maiores locais extremos do mundo onde se pode viver. E isso graças à mistura de grande concentração de pedras preciosas com a teimosia humana de permanecer na área para coletá-las.

Durante o dia, as temperaturas podem chegar a 47°C . Por isso, os moradores decidiram que seria uma boa ideia construir casas subterrâneas. Isso também ajuda a suportar o frio noturno surreal, que pode chegar a temperaturas negativas durante junho e julho.

Quase todas as habitações e comércios de Coober Pedy são escavados em rochas ou na terra, com pequenas saídas de ar. Isso ajuda a manter o clima mais ameno durante o dia e a preservar o calor do dia durante a noite. Foi uma forma bem eficiente que os mineiros da área encontraram de permanecer por ali.

Hoje a cidade tem quase 2.000 habitantes. A maioria deles trabalha com mineração ou com o crescente interesse turístico que a área tem atraído.

Città di Castello, Itália

Imagem de parte da Città di Castello vista do alto

A cordilheira dos Apeninos cruza mil quilômetros entre a parte da costa leste da Itália, até a área central. A maior parte das montanhas que compõem a cordilheira é verde, no entanto, O Grande Corno, uma das montanhas mais altas da área, tem o pico coberto por neve.

A Città di Castello, que é possivelmente o berço da Renascença, está considerada entre os nossos locais extremos porque fica em um declive abaixo dessa cordilheira. A região onde ela fica, Umbria, é frequentemente atingida por enchentes causadas, principalmente, pela água que desce das montanhas quando há fortes chuvas na região.

Aogashima, Japão

Imagem aérea da lha de Aogashima, onde se vê um vulcão dentro de uma cratera maior. Ambos rodeados por estradas.

Aogashima é uma ilha que já está no mar das Filipinas, mas ainda faz parte da área pertencente ao Japão. Ela poderia ser apenas mais uma das tantas ilhas japonesas, mas ela tem uma particularidade bem interessante: a ilha inteira é basicamente um vulcão inativo. E embora isso possa parecer bem assustador, os habitantes da área não acham. Muitos deles, inclusive, vivem dentro da cratera do vulcão.

Este é certamente é um dos vencedores entre os locais extremos onde se pode viver. Entretanto, seus habitantes defendem a escolha de forma simples: segundo eles, as propriedades vulcânicas fazem da terra da região muito mais rica em nutrientes e ótima para a agricultura.

E apesar de parecer tudo muito perigoso, há quem diga que por algum tempo, viver na ilha não será problema. Isso porque a última erupção do vulcão aconteceu em 1785 e deve demorar para acontecer de novo. Mesmo que o vulcão seja considerado ainda como um vulcão ativo.

Vale da Morte, Estados Unidos

Construção rústica em meio ao deserto

Essa área dos Estados Unidos ficou mundialmente famosa graças aos filmes de faroeste e, também, às numerosas mortes de turistas todos os anos devido ao clima extremo. E mesmo com esse nome pouco convidativo e toda a fama que vem com ele, o Vale da Morte conta com mais de 300 habitantes. Pessoas que trabalham e vivem em áreas isoladas e de difícil acesso para a maioria das pessoas.

O vale da morte é está entre os locais extremos por ter picos de calor de 56.7 °C durante o dia e, ao mesmo tempo, poder chegar a -9°C durante a noite. Por ano, pelo menos 3 pessoas morrem no Vale da Morte. Isso considerando apenas as mortes relacionadas exclusivamente às temperaturas.

Mesmo existindo tantos lugares mais tranquilos para viver no mundo, você teria coragem de morar em locais extremos assim?