5 testes simples para saber se você é daltônico

O indivíduo daltônico sofre com uma deficiência visual que o impede de visualizar com complexo espectro de cores. Geralmente as cores afetadas são o vermelho e o verde.

Os acometidos levam anos até diagnosticar o problema. Por ser uma doença genética, essas pessoas já nascem com a visão alterada. Como nunca enxergaram alguns tons, elas simplesmente não sabem sequer que eles existem.

Sendo assim, criamos uma lista com os 8 principais testes usados para avaliar se uma pessoa é ou não daltônica. Dentre eles, alguns você poderá fazer agora mesmo enquanto ler, os demais são realizados em laboratório e visam a confirmação de uma suspeita.

1 – Teste de cores de Ishihara

Este é um teste bastante simples e você pode realizá-lo agora mesmo. O Teste de cores de Ishihara é o exame de daltonismo mais famoso do mundo, estando disponíveis nas mais diversas plataformas digitais.

A avaliação é feita através de 32 cartões coloridos. Nesses cartões tem-se em meio a cores diferentes, alguns círculos coloridos agrupados de maneira a formar um número, que deve ser reconhecido.

O indivíduo com visão normal é capaz de enxergar o número em todos os cartões, independente da variação de cores. No caso do daltônico o número de acerto vai de acordo com a gravidade do problema.

Você pode se testar agora mesmo ao tentar identificar o número em meio ao colorido das imagens acima.

2 – Teste das letras

O Teste das letras é bastante similar ao Teste de cores de Ishihara e este também você pode realizar no conforto de sua casa.

Nesse caso exibe-se uma cartela dividida em quadrículos coloridos preenchidos por completo por determinadas cores. Em meio aos tons, há uma pequena variação em formato de letra que deve ser reconhecida por pessoas com olhos normais.

Na maioria dos casos o indivíduo daltônico enxerga simplesmente uma cartela com quadrados coloridos, não sendo capaz de identificar letras ou qualquer padrão.

Mais uma vez você tem a oportunidade de realizar o teste neste momento. Basta utilizar a imagem anexada e tentar identificar em cada um dos quadrados coloridos uma letra.

3 – Teste Lãs de Holmgreen

O Teste Lãs de Holmgreen é um exame bem simples e prático. Neste caso é apresentado ao indivíduo uma caixinha cheia de feixes de lãs coloridos, sendo esses todos de cores diferentes.

O profissional que aplica o teste pede ao paciente que separe uma porção de lãs pintadas de uma determinada cor. A medida que a pessoa vai separando, essas cores vão sendo agrupadas em sequência. Sendo que esta deve corresponder a um gabarito.

Através da distorção ou não nesta ordem de cores é possível reconhecer o indivíduo daltônico e o grau do distúrbio presente.

4 – Anomaloscópio de Nagel

O anomaloscópio é um aparelho desenvolvido pelo oftalmologista alemão Willibald Nagel e é um dos principais exames realizados para confirmação do daltonismo.

Para realizar a avaliação é feita uma divisão do campo de visão do paciente em duas partes. Em uma delas uma luz monocromática de coloração amarela é lançada. Enquanto na outra a iluminação parte de luzes monocromáticas em tons de verde e vermelho.

Conforme citamos na introdução, o daltônico geralmente não é capaz de diferenciar o verde e o vermelho. Sendo assim, quando lhe é pedido para comparar e tentar igualar a tonalidade dos campos, ele faz isso de uma maneira diferente do padrão.

Desta forma, o médico é capaz de identificar a tonalidade visualizada pela paciente. Podendo assim compará-la com real e realizar assim o diagnóstico.

5 – Teste Farnsworth

Este tipo de avaliação foi desenvolvido ainda na década de 1940 por  Dean Farnsworth. Desde então é um dos principais testes utilizados na avaliação do sistema visual humano, em especial do daltonismo.

O Teste Farnsworth examina a capacidade do paciente de separar e organizar algumas variações mínimas de cores e tons em vários alvos de cores com valores constantes.  

Existem duas variações do teste, uma com 100 cores e outra com apenas 15. O resultado do teste é influenciável por diversos fatores ambientais. Sendo assim é preciso muita cautela em busca de uma avaliação precisa e consistente.

Caso esses testes tenham te despertado algum tipo de suspeita, não deixe de procurar por um oftalmologista e realizar também os exames laboratoriais.

Infelizmente ainda não existe nenhum tipo de tratamento disponível para o distúrbio. A não ser um óculos que facilita a distinção de cores, o que infelizmente ainda é oferecido em valores altíssimos.

Entretanto, tendo diagnosticado o problema, o daltônico é capaz de levar uma vida perfeitamente normal, trabalhando sempre para lidar e superar as suas limitações sem colocar-se em risco.