Você já ouviu falar no projeto Iceworm? Saiba tudo sobre ele

Iceworm é o nome de mais um dos projetos secretos realizados pelo governo dos Estados Unidos. Neste caso estamos falando de uma plataforma de lançamento para mísseis nucleares móveis construída sobre os gelos da Groenlândia.

O projeto foi idealizado durante a Guerra Fria. Como você pode imaginar, o objetivo era manter as armas o mais próximo possível do território da União Soviética a fim de que fosse possível alcançá-la em caso de necessidade.

Para colocar o plano em ação o coronel John H. Kerkering ficou encarregado de construir uma cidade subterrânea em tempo recorde e sem que os soviéticos se atentassem para o fato de que uma obra gigantesca acontecia na Groenlândia.

Tudo ficou por baixo dos panos até que em 1995 o Instituto de Política Externa Dinamarquesa começou a investigar o armazenamento de armas nucleares na Groenlândia. Desta forma, as informações surpreendentes a respeito do projeto Iceworm começaram a vir à tona.

O contexto que envolvia o Projeto Iceworm

Segundo informações divulgadas pelo exército norte americano o projeto é um “centro de pesquisa de propulsão nuclear construído pelo Corpo de Engenheiros do Exército sob a superfície gelada da Groenlândia”. Tudo começou em 1959, durante o período da Guerra Fria.

Entre 1945 e 1991 o mundo tornou-se polarizado. De um lado os Estados Unidos e seus aliados, de outro a União Soviética e os seus. O conflito envolvia diversos aspectos, dentre eles políticos, militares, econômicos e sociais.

Não houve nenhum tipo de confronto direto, porém o embate se manteve de pé durante anos de forma indireta. Diante de um possível ataque, ambas as superpotências começaram a desenvolver um enorme arsenal de armas, especialmente nucleares.

Conforme se sabe a respeito do potencial destrutivo das armas nucleares, caso uma guerra efetivamente tivesse acontecido, a destruição seria de tal forma como nunca antes vista. Se tudo o que foi desenvolvido naquele período fosse utilizado, talvez a Terra nunca mais fosse capaz de se recuperar.

Então, diante de toda esta disputa é que nasceu o Projeto Iceworm.

Camp Century

Em busca de averiguar a respeito da viabilidade do Projeto, iniciou-se a construção do Camp Century em 1959. Os militares iniciaram então uma grande obra no noroeste da Groenlândia a 6 mil metros de altitude.

Todo o planejamento havia sido realizado pelo Centro de Desenvolvimento e Investigação Polar dos Estados Unidos. O local escolhido possuía uma posição estratégica, estando situado entre o oceano Atlântico e a Geleira do Ártico.

Os reais motivos para construção do local permaneciam obscuros. Na época acreditava-se que a obra envolvia bases militares em calotas de gelo, sendo uma opção eficaz e mais acessível no quesito investimento.

Porém, a verdade é que por trás dos panos um sistema de túneis de 4.000 quilômetros estava em andamento. Neles seriam instalados mais de 600 mísseis nucleares, preparados para alcançar a União Soviético caso uma guerra se instalasse.

Enquanto Iceworm se desenvolvia no secreto, Camp Century ganhava vida rapidamente. No local foram instaladas uma igreja, um hospital, uma loja e um teatro. Além de algumas estações meteorológicas.

Tudo era acompanhado e avaliado constantemente por geológicos que chegavam a estrutura do gelo e a viabilidade das obras realizadas ali. Devido a movimentação da geleira, boa parte do que era feito acabava sendo danificado, algumas construções chegavam a desabar.

O Projeto Iceworm chega ao fim

Mesmo a obra seguindo bem por baixo dos panos, já que até mesmo o reator nuclear móvel chegou a ser instalado, o projeto chegou ao fim em 1966.

Tudo começou a dar errado quando as primeiras construções feitas na região foram danificadas. A movimentação do gelo era extremamente prejudicial para as estruturas ali construídas. Apesar da locomoção já ser algo previsto,  a velocidade se mostrou mais rápida do que aquela descrita pelos geólogos.

Por causa disso o projeto acabou se tornando arriscado demais, inclusive para as 200 pessoas que habitavam o Camp Century.

Devido aos graves problemas apresentados durante a realização da obra, a estimativa era de que em apenas 2 anos os túneis fossem completamente destruídos pela própria movimentação da geleira, o que fez de Iceworm inviável.

Foi então que em 1965 toda o acampamento foi evacuado e o reator nuclear removido. Em 1966 o projeto foi oficialmente cancelado e Camp Century terminantemente fechado.

Durante os poucos anos de efetiva aplicação prática do projeto, 50 milhões de dólares foram investidos.

Acredita-se que até 2100 o gelo que cobre o local estará completamente derretido e todos resíduos físicos, químicos, biológicos e radioativos armazenados ali sejam liberados para a natureza. É bem possível que os ecossistemas próximos sejam permanentemente prejudicados. O projeto Iceworm chegou ao fim, mas as questões envolvendo este plano secreto do governo americano ainda darão o que falar.