Por que as páginas dos livros ficam amarelas com o tempo?

Comprar livros novos é muito bom, ir naquela banca comprar seu jornal pela manhã também é uma delicia. Tudo com cheirinho de papel novo e recém escrito. Mas com o passar do tempo esse livro vai parar numa estante ou gaveta, o jornal então, coitado, pode ter diversos fins, desde embalador de peixes até tapete para carro. Enfim, o foco aqui é outro.

Suponhamos que você guarde esse livro por muito tempo, e o jornal também, tadinho. Com o passar do tempo os dois vão começar a ficar amarelados, um mais rápido que o outro, o jornal primeiro para ser mais exato.

Mas você sabe por que acontece isso? Se eu te dissesse que faz parte de um processo químico que envolve luz, umidade e oxigênio você acreditaria? Pois bem, curiosos como sempre, fomos atrás para saber como e por que ocorre isso como os papéis em geral. Olha só!

100 a.C

Antes de começarmos a falar da deterioração do material, vamos falar da história do papel.
Segundo estudiosos, há indícios de que o papel possa ter sido inventado na China, por volta de 100 a.C, o material era feito de cânhamo. Porém, pouco tempo depois, bambu e cascas de árvores também começaram a serem usadas no processo de fabricação.

Contudo, devido a dificuldade em confeccioná-lo, o papel era muito limitado e caro, sendo usado apenas pelo governo e em documentos oficiais.

Porém, como passar do tempo a noticia de um novo material foi se espalhando pela Ásia, e o papel foi ganhando popularidade, tendo sua produção se tornado mais eficiente e expansiva o barateando.

Já no século XI, o papel chegou na Europa, e na Espanha e passou a ser produzido com uma espécie de linho e assim continuou até meados do século XIX. Nesse século, o papel deu um salto para a evolução, tendo como matéria-prima o que conhecemos hoje: fibras da madeira, a celulose.

Olha a evolução

O papel evoluiu, mas não o suficiente para que ele não fique amarelo como tempo. E a consequência é a seguinte:
Nosso papel vem da árvore e nossas árvores fornecem a celulose para nossos queridos papéis.
Porém, a madeira contém lignina, um dos principais componentes da madeira, ela é responsável pelo crescimento e rigidez da planta, sem ela as árvores não passariam de 1,9 de altura.
A lignina, no papel, funciona como uma cola para a celulose, mantendo as fibras ligadas.

E a lignina têm uma cor natural marrom, ao contrario da celulosa que reflete a luz.
Com o passar do tempo, a celulose sofre uma perda muito grande de elétrons, parando de refletir a luz, momento em que a cor original da lignina fica à mostra.
E os principais fatores são a exposição à luz, umidade, oxigênio e claro aquelas lambidas que você da no dedo para passar de página.

Resumindo a grosso modo, galera: como nosso papel está perdendo muitos elétrons com a absorvição da luz (principalmente), ele está voltando a cor original. Ou seja, sua cor original é a cor da nossa querida árvore. E não há nenhum processo conhecido de recuperação de páginas amareladas, por isso é bom começar a cuidar com carinho dos livros.

Todavia, existem documentos feitos em papel alcalino, estes com níveis de lignina reduzidos, prologando sua vida útil.

Cuidados extras

Mas não fique preocupado, existem diversos modos de prevenir o amarelamento precoce de um livro ou jornal. Se liga!

  • Evite Luz – Coloque sua estante em um local onde não bata sol e que não tenha muito contato com a própria luz artificial;
  • Evite poeira – Limpe seus livros sempre que possível, a poeira ajuda e muito a amarela-los;
  • Deixe espaço na estante – Se estiverem de pé, deixe um pouco de espaço entre um e outro e o fundo da estante;
  • Leia – Um livro foi feito para ser lido, não guardado.

Um livro é fonte de conhecimento e pode te levar a qualquer lugar, basta abri-lo e viajar. Boa leitura!